logo

Os Prémios

  • Home
  • /
  • Catálogo
  • /
  • Os Prémios
  • Autor
  • Coleção
  • ISBN 9789896232535
  • PVP 22.99 € (IVA incluído)
  • preço fixo até fim de
  • 1ª Edição março de 2018
  • Edição atual 1
  • Páginas 432
  • Apresentação capa mole
  • Dimensões 150 x 225 x 32,5 mm

O primeiro romance publicado de Cortázar, inédito em Portugal, e que antecipou O Jogo do Mundo: Rayuela.

Um grupo rumoroso e heterogéneo de personagens, espécie de catálogo representativo da sociedade de Buenos Aires da época, premiado na lotaria nacional com um bilhete para uma viagem luxuosa de cruzeiro, embarca no navio Malcolm, cheio de expectativas.

Contudo, entre distrações e atrações iniciais, um clima de mistério faz crescer a tensão entre os passageiros e a tripulação: o navio é colocado em quarentena devido a uma inexplicável doença, a rota e o destino final da viagem são desconhecidos, o capitão não se apresenta e nenhum dos membros da tripulação fala espanhol e, sobretudo, o acesso à popa da embarcação está interdito aos passageiros.

Todas estas absurdas circunstâncias constituirão um irresistível desafio para os hóspedes deste navio que os levará a um jogo cada vez mais perigoso e com um final surpreendente.
O alternar entre narração e reflexão, a vivacidade dos diálogos, o absurdo e a comicidade das personagens, fazem de Os Prémios um romance desconcertante e uma leitura ímpar, inevitável antecâmara de toda a obra subsequente de Cortázar.

Julio Cortázar (1914 - 1984), escritor argentino, é considerado um dos autores mais inovadores e originais do seu tempo. Mestre no conto e na narrativa curta, a sua obra é apenas comparável a nomes como os de Edgar Allan Poe, Tchékhov ou Borges.

Deixou igualmente romances como O Jogo do Mundo (Rayuela), que inauguraram uma nova forma de fazer literatura na América Latina, rompendo com o modelo clássico mediante uma narrativa que escapa à linearidade temporal e onde as personagens adquirem uma autonomia e uma profundidade psicológica únicas.

Outros livros do mesmo autor


Todos os Fogos o Fogo

    Julio Cortázar demonstra, uma vez mais, a sua enorme mestria em (con)fun­dir passado e presente, sonho e realidade, criando ambientes ficcionais únicos.

    O Jogo do Mundo - Rayuela

      Considerado o romance que melhor retrata as inquietudes e melhor resume o século xx na visão latino-americana do mundo.

      A Volta ao Dia em 80 Mundos

        Uma das obras fundamentais e incontornáveis de Julio Cortázar, inédito até hoje em Portugal.

        Papéis Inesperados

          Festejado como um acontecimento editorial pela crítica e pelos amantes em todo o mundo da obra de Cortázar, Papéis Inesperados é uma deslumbrante colecção de textos inéditos e dispersos.

          Gostamos Tanto da Glenda

            Gostamos tanto da Glenda, originalmente publicado em 1980, e até hoje inédito no nosso país, contém alguns dos mais famosos contos escritos por Julio Cortázar.

            Final do Jogo

              Volume de dezoito contos até hoje inédito no nosso país, Final do Jogo é um dos livros mais celebrados pelos leitores de Julio Cortázar.

              Bestiário

                Bestiário é o primeiro livro de con­tos de Julio Cortázar e um dos marcos da carreira deste autor e da moderna literatura.

                Aulas de Literatura - Berkeley, 1980

                  Um livro imprescindível, uma porta de entrada para a literatura e para o universo de um dos seus maiores autores.

                  Octaedro

                    O Octaedro de oito contos publicado originalmente em 1974 é um dos livros mais representativos e celebrados de Cortázar, em que a audácia estilística se equipara ao desafio constante perante os determinismos e previsibilidade da vida quotidiana.

                    Histórias de Cronópios e de Famas

                      A criação mais feliz e absoluta de Cortázar. Nova tradução e renovado design.

                      As Armas Secretas

                        Volume que inclui vários contos sobre os derradeiros dias de vida do músico Charlie Parker, que o próprio autor considerou ser um dos momentos de definição da sua carreira.